Veja minha participação no Jornal da Gazeta

July 25, 2014 |

Televisão

As visuais fervem na capital paulista. Foi aberta ontem à noite, na Pinacoteca do Estado, retrospectiva da obra de Mira Schendell, uma das mais importantes artistas da América Latina, que se aproximou de várias tendências, do minimalismo ao concretismo, ao grafismo, sem no entanto se comprometer com nenhuma delas. Hoje ela é reverenciada por críticos e curadores internacionais, e sua arte é ambicionada por museus e coleções contemporâneas. A exposição tem curadoria da Tate Modern de Londres, onde estreou, e já passou também pelo Museu Serralves, do Porto, Portugal. Quem curte a obra da suíça Mira, que se mudou em 1949 para o Brasil, onde morreu em 1988, tem chance de ver agora mais de 300 trabalhos das décadas de 50 a 80, especialmente reunidos nesta mostra, emprestados por grandes coleções públicas e privadas do Brasil e exterior.
Também na Pinacoteca, está a exposição “Guillermo Kuitca: Filosofia para princesas”. Com cerca de 50 obras, a mostra reúne trabalhos produzidos durante toda a trajetória deste importante artista argentino. Seus temas preferidos estão todos lá: desde as primeiras grandes pinturas dramáticas, aos mapas, as plateias de teatro, as esteiras de bagagens de aeroportos. Destaque para a instalação “Le sacre”, no Octógono, formada por 54 camas, em cujos colchões foram pintados mapas diversos.
E amanhã abre no Itaú Cultural, na Avenida Paulista, a Ocupação Aloisio Magalhães, mostra que homenageia o grande artista gráfico pernambucano, pioneiro do design moderno no Brasil, e cujo trabalho faz parte do nosso cotidiano. São dele, entre outros, os logotipos da Bienal, da Petrobras, da Souza Cruz, além de ter criado as cédulas do Cruzeiro, nosso dinheiro nos anos 60 e 70. A Ocupação, que segue até 24 de agosto, tem curadoria do designer João de Souza Leite. É tudo imperdível. Boa noite.